Pular para o conteúdo

Maria Eduarda

22/12/2009

foto de Canindé Soares

por Sandro Fortunato

Maria Eduarda, 4 anos de idade, moradora da comunidade do Maruim, bairro das Rocas, Natal, Rio Grande do Norte. Desde o nascimento, conviveu com a má nutrição, a ignorância dos adultos ao redor, com a falta de saneamento básico e de um futuro promissor. Todas as crianças daquela área podem passar fome, andar descalças o dia inteiro e brincar no esgoto, sem ter um resfriado ou uma alergia. Parecem resistir a tudo.

Agora, depois de décadas de promessas e uma sucessão de administradores que só apareciam por lá para conseguir mais alguns votos, o Maruim vai acabar. As famílias ganharão um lugar que possam chamar de casa, as crianças não precisarão viver nos esgotos nem dividir seus finos colchões com ratos e baratas. As mazelas serão minimizadas. Talvez algumas acabem por completo. Para Maria Eduarda, todas terminaram na tarde do último domingo. Com uma bala no peito.

Negra, pobre, nordestina, Maria Eduarda não vai aparecer na capa das principais revistas do país, nem ganhará uma reconstituição de seus últimos momentos a ser exaustivamente reprisada pelos telejornais. Ficará apenas com as matérias de alguns jornais de Natal. Primeira página. Já parece alguma coisa.

Não acompanharemos o julgamento de quem a matou. Provavelmente o assassino nem será preso. Ninguém viu nada, ninguém sabe de nada. Falta dignidade, sobra medo. Quem deu o tiro talvez encontre a morte da mesma forma, seja por vingança ou durante uma briga de gangues.

Durante o enterro da pequena Maria Eduarda – uma entre dezenas de crianças que conheci no início deste ano no Maruim –, silêncio e nenhuma comoção. Nas fotos nos jornais, adultos e outras crianças de braços cruzados, olhares perdidos, impotentes, pensando que podem ser os próximos. E serão. Só é impossível saber a ordem.

Outros inocentes vão morrer dessa forma. No Maruim de Natal ou de qualquer outra cidade. São uns bichinhos lindos e puros como os meus filhos ou os seus. Em tese, com os mesmos direitos. Na prática, condenados a não ter futuro. Se chegarem à vida adulta, o que serão? Analfabetos como os pais? Traficantes que também matarão outras crianças?

O sorriso de Maria Eduarda, na foto reproduzida pelos jornais, ou das crianças que fotografei no Maruim tem data de validade. Eu poderia ter procurado por ele – o sorriso – em alguma foto, mas preferi colocar uma imagem que espelha bem melhor o futuro dessas crianças. E não adianta mudá-las de lugar. Sem educação, sem saúde, sem alimentação adequada, sem segurança, sem orientação, sem muito Amor, essa história se repetirá sempre.

Não esperemos pelo poder público, que, no Brasil, quase sempre é poder pessoal travestido. Olhe para cada Maria Eduarda como se fosse uma filha sua. Faça o que puder para que seu próximo presente de aniversário, do dia das crianças ou do Natal não seja um pequeno caixão branco.

Você pode ajudar uma dessas crianças. Faça isso.

foto de Sandro Fortunato

One Comment leave one →
  1. Cecília permalink
    22/12/2009 23:59

    Triste realidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: